A Técnica da Quadricromia

 quadricromiaO constante crescimento da técnica de quadricromia na serigrafia tem feito com que muitos serígrafos procurem se iniciar na técnica, estou relacionando a seguir algumas informações que poderão ajudá-lo na produção de impressos em quadricromia.
 
A quadricromia é uma técnica especial que permite a reprodução com extrema fidelidade de qualquer tipo de original, seja ele uma foto, um desenho, etc., por meio de apenas quatro cores básicas: cyan, magenta, amarelo e preto. 
 
Essas quatro cores, impressas por meio de reticulados (imagens fragmentadas em pequenos pontos) e sobrepostas, permitem a reprodução de qualquer tipo de cor existente no original, assim como a grande variação de tonalidades existentes em uma foto colorida.
 
A obtenção dos diapositivos da quadricromia é feita por meio de processo eletrônico de seleção de cores, usando-se a síntese subtrativa de cada uma delas. Por meio desses processos a riqueza de detalhes de um original  colorido é reproduzido com extrema fidelidade. As tintas usadas para quadricromia são, todas na escala Europa, o que permite a reprodução universal de qualquer tipo de original.
 
A obtenção das diferentes cores na reprodução de quadricromia ocorre pela sobreposição de cores e provem do efeito ótico e não físico.
 
Para imprimir em quadricromia é necessário conhecimento especifico sobre vários aspectos que determinam a qualidade e a possibilidade de reprodução fiel do original. Em qualquer reprodução de quadricromia, deve-se analisar os seguintes itens:
 

Uma regra é básica e muito verdadeira. 

Começar certo para se evitar problemas durante o processo de impressão de quadricromia. A reprodução está inevitavelmente ligado a perda de qualidade, ou seja uma cópia não oferece exatamente as mesmas características do original com isso sempre se perde algo durante a impressão, porém reproduzir uma imagem que já de início apresente falhas no original, implica na obtenção de uma péssima cópia no final, por isso que existe uma série de parâmetros a serem considerados para se chegar ao máximo de aproveitamento para reprodução por meio das quatro cores.
 
Resolução: Precisa ser de de, no mínimo, 250 a 300 dpi para a reprodução em camisetas. Esse valor tem que ser o real e não a resolução interpolada que confunde na hora da compra, que consiste em esticar a figura escaneada, produzindo imagens com resoluções impressionantes, porém uma resolução interpolada altíssima é inútil por três motivos:
 
·         A imagem não fica com boa qualidade, pois a imagem é captada por sensores com resolução real e esticada para atingir a desejada. Como exemplo temos uma imagem captada por um sensor de 600 dpi,  esticada 32 vezes para atingir uma resolução de 19200 dpi;
 
·         Porque esse esticamento pode ser feito por qualquer programa gráfico e não necessariamente pelo scanner, e a quantidade de memória que um computador deve ter para escanear uma imagem interpolada é muito elevada, podendo até esgotar a memória de um computador;
 
 
·         E o tempo é relativamente alto para que o scanner transmita a imagem para o computador, podendo levar de minutos á horas dependendo da velocidade da conexão.
 
 
Avaliação prévia: uma avaliação prévia da imagem se faz necessária, pois tons como pele, degradês e outros exigem diapositivos adequados, ou seja, os ângulos das cores do CMYK devem ser ajustados em função da imagem a ser reproduzida. Estes ajustes foram abordados no início deste trabalho na parte de diapositivos.
 
 
Tratamento: uma imagem escolhida deve ter um tratamento necessário por meio de softweres como Photoshop, para que apresente alta definição.
 
 
Fundo Branco: é imprescindível a produção de um diapositivo chapado, que será um fundo branco para aplicação da cromia em fundos escuros porém, a camada branca deverá ter milímetros a menos que a imagem original, para se evitar após a impressão o aparecimento de uma margem branca em volta do desenho, levando-se em conta que o fundo não poderá ser muito menor que o desenho para  que a impressão saia diretamente sobre o tecido, impossibilitando a visualização, visto que tintas para quadricromia são transparentes.
Um dos problemas mais freqüentes é a falta de resolução do desenho em relação ao original visto no monitor, a calibração do monitor evita a elaboração de desenhos com cores que jamais poderão ser reproduzidas corretamente.
 
Cor aplicada: entende-se por cor aplicada qualquer cor usada em um determinado original, seja ela laranja, azul, marrom, etc. Esse caso é muito comum na serigrafia em que se imprimem originais com seis, ou mais cores. O processo para obtenção dos diapositivos pode ser manual ou fotomecânico (fotolito). Para cada cor, é necessário fazer uma impressão, por isso trabalhos com muitas cores demandam mais tempo e maior consumo de tinta.
 
Uma das vantagens da utilização do processo de cores aplicadas é o de poder imprimir sobre materiais de diferentes cores (até mesmo o preto), pois as tintas usadas no processo de cor aplicada são opacas (não confundir com fosca), isto é não tem transparência. A obtenção das diferentes cores, no caso de cor aplicada, é feita por meio de mistura física.
 
 

 ESCOLHA DO ORIGINAL

Você pode usar uma foto comum em papel, um slide, um desenho pintado, etc. É importante observar se o original é de boa qualidade. Como o processo de seleção de cores é feito em equipamentos especiais, você deve instruir seu cliente a conversar com o estúdio do fotolito para saber se o seu original tem o tamanho correto que permita entrar na máquina, pois existem algumas máquinas que não trabalham com originais rígidos, sendo necessário transformar o original em uma foto ou slide. A quadricromia permite ainda a reprodução de originais  já impressos, recurso muito utilizado na estamparia têxtil.
 

 SELEÇÃO DE CORES

É o processo utilizado para a obtenção dos quatro fotolitos de quadricromia já reticulados. Feito em locais especializados, esse processo exige o uso de equipamentos especiais, os scanners, dos quais se obtêm os quatro filmes da quadricromia já reticulados, com inclinação da retícula, tipo do ponto UCR (MRC), mínimas e máximas e ainda camada do filme. O processo de seleção de cores depende de uma série de informações que devem ser passadas ao estúdio de fotolito para que, assim, o trabalho possa ser executado com características próprias para impressão em serigrafia.
Dentro do processo de seleção de cores, devemos orientar o estúdio quanto aos seguintes itens:
 

CRITÉRIOS DE IMPRESSÃO

 
Matriz: a produção de um diapositivo correto permite a produção de uma matriz com a mesma fidelidade, esta deve sempre que possível ser confeccionada em perfis de alumínio, que oferecem maior resistência que os demais. Para a impressão das quatro cores podem ser usados tecidos de poliéstes amarelos, com uma variação de 77 fios (base de água) e 90 a 120 fios (plastisol). Para o fundo branco, a tela pode ser de mais aberta, com 55 fios.
 
Esticagem: as telas devem ser esticadas no mesmo dia, pois terão o mesmo afrouxamento comum, evitando disparidades que poderão influenciar o registro das telas. Importante, espere 48 horas para aplicar emulsão e gravar as telas, este tempo é importante para estabilizar e reorientar os fios de poliéster que foram alongados na esticagem.
 
Emulsionamento:  a emulsão deve ter resistência á tinta escolhida. O emulsionamento da tela esticada deve ser feito com 4 camadas externas e 3 interna (aplicação direta sem secagem), cobrindo bem o tecido para se evitar problemas posteriores, após alguns minutos a tela estará pronta para a secagem. Este tipo de aplicação de camadas de emulsão deve ser usado para tecidos acima de 120 fios/cm. Para tecidos mais abertos, aplicar 1 camada externa e 2 interna.
 
Gravação:  o ideal é se utilizar prensa a vácuo e uma fonte de luz UV de 4000W aproximadamente. Na montagem do diapositivo sobre a tela a ser gravada, deve-se ter muita atenção as medidas e ao posicionamento dos quatro positivos sobre a tela, pois em relação ao registro, é importante medir as  distâncias horizontal e vertical a fim de deixar as quatro matrizes o mais alinhadas possível.
 
Exposição:  tela para quadricromia não deve ficar muito tempo exposta á luz, pois poderá ocasionar uma perda de pontos, que não serão reproduzidos posteriormente. Outro cuidado adicional que deve ser observado logo após a gravação é quanto a lavagens das telas, pois é preciso revelar todos os pontos da imagem.
 
Evitando o moiré:  o efeito maoré nada mais é que uma falha de impressão causada principalmente, pela coincidência dos pontos da retícula com os fios do tecido de impressão (malha). Regularmente, um conjunto de pontos é bloqueado pelo fio, a tinta não tem por onde fluir e a impressão passa a ser descontínua (com defeito).
 
 
 
Praticamente o efeito moiré é causando pela definição incorreta do conjunto tecido x fotolito: mas também pelo tencionamento incorreto da matriz, camada fotográfica da matriz, tinta, processo de impressão e acabamento superficial do material que será impresso.
 
O efeito moiré pode ser evitado com a escolha do número de pontos da retícula (lineatura) em uma proporção de 2.50, 3.75, 5.00 e 6,25 entre o número de pontos/cm da retícula (lineatura do filme) com o número de fios/ cm do tecido da matriz (lineatura do tecido ou filiatura).
 
Para evitar a formação do moiré em uma retícula de 24 pontos/ cm deve-se utilizar uma malha de 90 ou 120 fios/ cm. Se a malha for de 140 fios/ cm, as lineaturas ideais são  37 ou 28 pontos/ cm, considerar a inclinação da retícula. O tecido deve ser esticado com os fios paralelos ao quadro.
 
 
Os critérios de impressão da quadricromia é mais apurado do que a impressão com cores aplicadas, pois em se tratando de tintas transparentes, qualquer respingo, irregularidade na impressão mesmo na camada de tinta, proporcionam diferença nas cores finais.
 
 
Deixe seu Comentário

95% da passoas que leram esse artigo, também leu os artigos abaixo

paperbackstack_550x498Fique atualizado... Conheça o Livro a Tecnologia Serigráfica

Informação de qualidade sobre a arte da Serigrafia.

BAIXE AGORA... É GRÁTIS!

Simplesmente preencha o formulário com seu melhor e-mail

Carlos Damasceno

Carlos Damasceno é um apaixonado por desenho e por arte em geral, desde desenhos em papel, a desenhos em qualquer superfície, como camisetas, chaveiros, utensílios de plástico, metal ou qualquer outra superfície. Foi exatamente por causa por isso que também passou a se interessar por serigrafia.

Website: http://www.cursodeserigrafia.org

Comentários no Facebook